SEIS REALIZAÇÕES QUE MUDARAM A VIDA DOS AMARAJIENSES – POR JOSIAS GOMES

Corriam os anos 1960 e importantes realizações aconteceram nesta década, que em muito contribuíram para melhorar a qualidade de vida do povo de Amaraji.

1- Enfim tivemos água na torneira;
Hoje o que é comum para as novas gerações eram verdadeiras preciosidades no nosso tempo de infância e juventude. Por exemplo, quase ninguém se dá conta do que é acordar de manhã e ter de tomar banho de “cuia” pela ausência de “água encanada”, que na época inexistia em Amaraji.

As cacimbas de Seu Eudócio, de Gonzaga e outros, eram as fontes onde a população se abastecia de “água potável” e haja filtro para retirar as impurezas. Mas pelas mãos dos trabalhadores sob a coordenação do “engenheiro” Zé Goiana, finalmente o bem mais precioso chegou aos lares amarajienses, o benfeitor foi o Prefeito Alberico Batista dos Anjos, Seu Beca.

Antônio Inácio que colaborou com informações para esse texto, lembra quando “Zé Goiana levou a água, entre a casa de Elzinha e a Prefeitura antiga, foi uma festa, eu mesmo fui lavar as mãos e festejar, me molhando todo.”

Teve até música composta especialmente para comemorar o momento:

“Corre água na torneira não é brincadeira não.
Até parece um diluvio, em pleno verão, quando tiver precisão,
é só abrir as torneiras,  que sai água a vida inteira,  sem mais aperreação”.

A água veio por gravidade, do Sítio Camarão de propriedade de Gerson Barbosa, até o alto do Cruzeiro e de lá foi distribuída para a cidade. Era o milagre da multiplicação em estado líquido.

2- As ruas pavimentadas;
Outro grande momento foi início da pavimentação em paralelepípedo de ruas em Amaraji. E o Prefeito era ele de novo, Seu Beca. Começou em frente à Igreja Matriz de São José, entre o santo e a Igreja, naquele pequeno trecho foi onde tudo começou. Aline que também contribuiu com informações para esse texto, ainda se lembra quando o calçamento chegou em sua rua: “fizemos uma feijoada em frente à minha casa e festejamos a chegada do calçamento”. O secretário de obras na época, era Seu Zé Teófilo, que tempos depois, também foi Prefeito.

3- O telefone chegou,
Agora o mais surpreendente foi a chegada do telefone público em Amaraji, o posto telefônico ficava num prédio onde hoje é a delegacia, se não estou enganado. Quem não viveu este tempo não sabe a emoção de se comunicar com alguém a quilômetros de distância, quando o feito ainda era inédito. Parecia magia. Celular nem sonhava em existir.

Aquele evento de tão importante foi inaugurado pelo Governador Marcos Maciel. Seu Beca na oportunidade, em cima de um caminhão, ligou para os Estados Unidos e falou com sua filha Tereza, que morava lá, na época, e ainda continua morando nos EUA. O Governador também falou com ela.

4- A energia de Paulo Afonso chegou em Amaraji;
Se hoje ficamos 5 minutos sem energia já é o maior fuzuê, imagine o que foi a sonhada chegada da “energia de Paulo Afonso”. Este marco das cidades do interior pernambucano, em Amaraji aconteceu na gestão de Seu beca, ele era o Prefeito e Paulo Guerra Governador. A felicidade foi tamanha que teve até um baile na casa do Prefeito, onde hoje tem um restaurante, em frente a antiga prefeitura.

Naquela época, Amaraji recebia a energia de uma pequena hidroelétrica existente no engenho Garra, de propriedade da Usina União e Indústria, a barragem desta usina Hidrelétrica foi construída no primeiro mandato de Dr. Jorge Coelho, no período entre 1947 a 1951.

Só para lembrar; foi Dr. Jorge quem demoliu o antigo coreto, construído em 1908 pelo Prefeito Liberato Marques e em seu lugar construiu o atual pavilhão. Símbolo maior de nossa cidade.

5- a ligação asfáltica de Amaraji até a BR 101;
A ligação asfáltica de Amaraji até a BR 101 foi concretizada no governo de Seu Beca. Pensa em um tempo difícil, sobretudo no período chuvoso, sair ou chegar em Amaraji. Era complicação pura, ainda mais porque a estrada de rodagem era horrível, muito atoleiro, bastante sinuosa em alguns trechos. Lembram da curva do S, na chegada da BR 101?

A ladeira do Padre era um problema, atolava feito a peste e várias vezes o ônibus não conseguia sair sozinho. Me lembro que uma vez eu estava vindo do Ginásio Agrícola e o ônibus atolou, era o último a chegar em Amaraji, geralmente entre as 8:30h para a 9h da noite. Neste dia tivemos que vir a pé. Quem estava no ônibus foi Dona Conceição de Seu Djalma, mãe de Lula, Zé Lins e Fernando.

6 – A construção da Maternidade Luís Bandeira de Melo;
Foi um marco importante pra Amaraji, finalmente as mães amarajienses tiveram o privilégio de verem seus filhos nascerem na cidade. Quem inaugurou a maternidade foi dona Inácia de Mizael que pariu o primeiro rebento nascido ali, chama-se Henrique.

Por fim, quero afirmar que Albérico Batista dos Anjos, ou simplesmente Seu Beca, sem dúvida, foi um grande homem público. Como vemos, durante seus governos Amaraji foi elevada a condição de cidade digna de se viver. Outros prefeitos tiveram suas contribuições e são inúmeras, mas Seu Beca foi um dos melhores prefeitos que tivemos em Amaraji.

Veja só, eu não sabia disto, foi Aline que me falou, Seu Beca toda vez que terminava um mandato de Prefeito e foram três em períodos alternados pois na época não havia reeleição, ele ia trabalhar em Recife, na farmácia de um primo dele que ficava na Praça Maciel Pinheiro. Talvez estes períodos na capital o inspirava na condução das suas gestões que sempre estavam conectadas ao futuro.

Seu Beca merece uma homenagem (in memoria), ele foi um grande homem público, gestor exemplar que deve ser lembrado por todos nós, pai de três filhos admiráveis, Tânia, Marcos e Tereza, esta quase conheci pouco e tendo dois irmãos, Zezito e Nivaldo com quem mantive muitas conversas, sobretudo com Nivaldo, aliás, queria ver esse cabra caçar hoje em dia. Por fim, seu Beca só tinha um defeito, era torcedor do Santa. Rssss

Josias Gomes – amarajiense, Deputado Federal do PT/Bahia licenciado e atualmente titular da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

Compartilhe:

Comentários

comments