500 TRABALHADORES DO CHAPÉU DE PALHA EM 13 MUNICÍPIOS RECEBEM CAPACITAÇÃO

O que é um jardim comestível, como é possível desenvolvê-lo e obter uma renda com ele usando tecnologias sustentáveis? As perguntas e outras mais serão respondidas na qualificação que será realizada pela Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco para cerca de 500 trabalhadores da Mata Sul e Mata Norte estadual a partir do dia 24 de setembro.

Eles foram escolhidos entre os beneficiários do Programa Chapéu de Palha em 13 municípios dessas duas regiões pernambucanas para participar das turmas em Itambé, Aliança, Ribeirão, Vicência, Araçoiaba, Água Preta, Timbaúba, Catende, Condado, Macaparana, Nazaré da Mata, Quipapá e Tracunhaém.

A boa notícia é que esses trabalhadores que recebem um benefício para se sustentar nos meses em que não há corte de cana de açúcar também começarão a aprender um outro tipo de profissão para obter uma renda extra e, quem sabe, futuramente, sobreviver apenas dela.

O programa Chapéu de Palha é coordenado pela Secretaria de Planejamento e Gestão do governo Paulo Câmara, enquanto a qualificação será realizada pela Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação estadual.

Segundo a assistente técnica da Secretaria Executiva de Trabalho e Qualificação, Lúcia Costa, a qualificação, que será feita pela Cooperativa de Trabalho Agrícola Assistência Técnica e Serviço, engloba vários eixos. Os trabalhadores do Chapéu de Palha receberão conteúdo programático sobre nutrição, adubagem do solo e compostagem, planejamento de jardins comestíveis, confecção de tecnologias para segurança de água, nutrientes, alimentos e energia, e até mesmo de marketing e empreendedorismo. Entre outros assuntos, eles também terão aulas de cidadania, respeito, ética e acessibilidade, bem como saúde e meio ambiente.

“Eles vão aprender a produzir alimentos no seu próprio quintal, vão receber kits de sementes de hortaliças e sementes medicinais, vão produzir alimentos para eles mesmos de uma forma ecológica e sustentável e, dependendo da produção, podem vender o ano todo, especialmente na entressafra”.

Compartilhe:

Comentários

comments