IPOJUCA TERÁ NOVAS ELEIÇÕES APÓS TSE NEGAR RECURSO DE ROMERO SALES

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu, ontem, por 4 votos a 3, pelo indeferimento do registro da candidatura de Romero Sales (PTB) à Prefeitura de Ipojuca. O petebista havia recorrido ao TSE. Com a decisão, Sales continua inelegível.

A defesa do agora ex-candidato à Prefeitura de Ipojuca, Walber Agra, relata que, com a deliberação do TSE, o município deverá passar por uma nova eleição em, no máximo, 40 dias, já que os votos do petebista podem ser considerados válidos. Como o Judiciário entrará em recesso no próximo dia 20, voltando somente um mês depois, no dia 20 de janeiro, o advogado de Sales prevê que o pleito só ocorrerá em março.

“Acompanhei o julgamento em Brasília. Com a decisão Romero Sales não será mais candidato, isso já é claro, mas não impede o partido de lançar outro nome com uma nova eleição. O partido deve decidir”, explicou Walber Agra.

Já a defesa do prefeito eleito Carlos Santana (PSDB) defende que os votos de Romero Sales sejam anulados. Com isso, o tucano seria proclamado vencedor do pleito. A decisão sobre a questão poderá sair nos próximos dias pela 16º Zona Eleitoral, a mesma que pediu impugnação da candidatura do petebista.

Apesar do imbróglio na justiça, Romero Sales chegou a concorrer sub judice e teve 8,7 mil votos a mais que o prefeito eleito, Carlos Santana.

Acusação

A condenação em questão ocorreu ainda em 2012, quando Sales também foi candidato à Prefeitura de Ipojuca. Ele foi condenado por crime eleitoral e improbidade administrativa, com base na Lei da Ficha Limpa. A questão principal da inelegibilidade do petebista foi por conta de uma viagem realizada em 2008 para Foz de Iguaçu, para participar 39º Encontro Nacional de Agentes Públicos, quando era vereador do município.

Sales foi ao local acompanhado de outros sete legisladores, cinco assessores e mais três servidores da Câmara Municipal. A acusação alegou que a viagem não tem finalidade de capacitação, e sim turística. Com isso, o município acabou tendo um prejuízo de R$ 69.657, 86 nos cofres públicos.

Do Blog da Folha.

Compartilhe:

Comentários

comments