3 ANOS SEM O ETERNO ÁLVARO SOARES DE MELO, O HOMEM DA REDENÇÃO

Esta semana o eterno homem da redenção e um dos maiores mitos políticos amarajienses,  se estivesse vivo estaria completando 86 anos. Eternizado como homem da Redeção, por ter uma panificadora que levava o nome de redenção, Álvaro Soares de Melo ou Seu Álvaro como muitos o chamavam deixa saudades há exatos 3 anos.

Álvaro Soares de Melo nasceu no dia 29 de setembro de 1929 no distrito de Mandacaru que pertence ao município de Gravatá. Era filho de Jorge Soares de Melo e Rosa Soares de Melo. Além de Álvaro, o casal teve os seguintes filhos: José Soares Monteiro, Lenira Soares de Melo e Luiz Gonzaga de Melo.

Na segunda metade da década de 1940, seu pai, Jorge Soares, mudou-se de Mandacaru para Amaraji e Álvaro veio junto com ele. Seu Manoel Miguel negociava com compra e venda de gado. Pai e filho fizeram algumas economias e Álvaro adquiriu uma pequena mercearia, na época, chamada de bodega.

No dia quatro de abril de 1951, foi nomeado pelo Governador para exercer, interinamente, o cargo de Oficial de Justiça e Porteiro dos Auditórios da comarca de Amaraji, em virtude do falecimento do titular do cargo Luiz Gonzaga Fontes. Continuou no cargo até sua aposentadoria.

Em 1953, na época da campanha para construção do Abrigo e Escola de Menores de Amaraji (atual prédio do centro Clara Vida) Álvaro Melo e a professora Elvira Sotero Fontes foram os dois maiores suportes no trabalho do juiz da comarca, Dr. José Sirone de Vasconcelos, o idealizador do projeto, percorrendo os vários recantos do município em campanha para angariar donativos para a construção do prédio e inauguração de suas instalações.

Sua primeira participação na vida política do município ocorreu em setembro de 1950, quando começou a fazer parte do diretório municipal do partido político União Democrática Nacional – UDN. Em setembro de 1969 ela fez parte do diretório municipal da Aliança Renovadora Nacional – ARENA, juntamente com Albérico Batista dos Anjos, José Teófilo Sobrinho, José Gomes da Silva e outros líderes da comunidade.

Em 1972, no dia 15 de novembro, realizaram-se eleições para prefeito e vereadores do município. Álvaro Melo obteve a segunda colocação.

Em fevereiro de 1982, filiou-se ao Partido Democrático Social – PDS do município. Licenciou-se das funções de oficial de justiça com a intenção de candidatar-se a prefeito. Álvaro venceu as eleições e juntamente com o vice Gilberto Benigno de Barros, foi empossado para administrar o município no período de 31 de janeiro de 1983 a 1º de janeiro de 1989.

Sua primeira aparição pública na qualidade de prefeito recém-eleito foi no dia nove de janeiro de 1983 quando da inauguração da pavimentação asfáltica da PE-63.

Ele foi o primeiro prefeito, em toda a história do município, a implantar calçamento em toda a cidade, fazendo desaparecer os antigos e tradicionais buracos que predominavam nas ruas. Nos primeiros 24 meses de governo calçou mais de 16.340 metros quadrados.

Vale também destacar as ações voltadas para o setor educacional, com a construção de mais de nove unidades escolares na zona rural com até quatro salas de aula cada uma, totalizando 19 salas de aula além de uma creche comunitária que atendia 120 crianças. Na área da educação, sua maior aquisição foi a compra de um moderno ônibus escolar para transporte de estudantes universitários que freqüentavam a Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul de Palmares – FAMASUL.

No dia 22 de setembro de 1983 ele assinou convênio com o Projeto Mandacaru. Com recursos da municipalidade e algumas verbas daquele Projeto, construiu um moderno centro de administração municipal, que substituiu o antigo e quase centenário prédio da prefeitura, um terminal rodoviário, o prédio da cadeia pública, recuperou o açougue e o mercado público. Edificou 81 casas populares, em alvenaria, no bairro de Nossa Senhora da Conceição. Adquiriu ainda uma ambulância, uma unidade odonto-médica móvel e um carro caçamba. Construiu também o moderno prédio do fórum municipal, uma unidade mista de saúde e o prédio da biblioteca na área mais central e histórica da cidade.

Adquiriu oito hectares de terras para permitir a construção de casas residenciais o que sempre pareceu impossível para administrações anteriores.

A obra mais lembrada por todos os moradores foi a construção do Clube Municipal dos Tamarindos, a realização do sonho de muitas gerações. O clube foi inaugurado no dia 23 de julho de 1986, data em que o município completou 118 anos de existência, com um baile animado pela orquestra de Ivanildo do Sax de Ouro.

Em sua gestão, o velho Cine-Teatro deixou de funcionar, o prédio passou por grandes modificações, dando lugar à agência do Banco do Brasil S.A. que foi inaugurada no dia 15 de fevereiro de 1984.

Nas eleições de três de outubro de 1992 ele disputou mais um pleito eleitoral para prefeito. Os outros candidatos foram Adailton Antônio de Oliveira e José Mário de Andrade, Adailton de Oliveira saiu vencedor e juntamente com seu vice, Severino Fabrício, tomaram posse no dia 1º de janeiro de 1993.

Em 2000, na eleição majoritária municipal do dia 1º de outubro, Jânio Gouveia da Silva candidatou-se pelo PPS, tendo como seu vice, Álvaro Melo. Eles disputaram a eleição com Adailton Antônio de Oliveira candidato do PFL. Jânio e Álvaro foram eleitos com 6.103 votos.

Desavenças políticas, intrigas e mesmices outras, formam o corriqueiro no palco das campanhas eleitorais interioranas. Álvaro Melo, porém com diplomacia e bom sendo procurou sempre manter um bom relacionamento com todos os setores da comunidade: a classe política, a câmara municipal, as diversas denominações evangélicas, o comércio e as poucas indústrias locais. Nas pequenas cidades brasileiras a paz sempre prevalece, apenas no período da política, alguns se desentendem e os ânimos de aceleram.

Álvaro Melo foi casado com Maria José Cavalcanti de Melo (Dona Zeza). Eles foram pais de: Paulo Roberto, Álvaro Filho (Dunga), Antônio Fernando, Maria do Socorro, Maria das Graças, Maria Auxiliadora (Dora), Maria de Jesus (Cita), Ana Maria e José Eugênio.

Ele faleceu no dia 18 de junho de 2012 no Hospital dos Servidores do Estado. Seu corpo foi velado no hall do Centro Administrativo Municipal de Amaraji e, de lá, transladado para a Matriz de São José, onde recebeu as merecidas homenagens de muitas pessoas residentes no município, assim como outras que se deslocaram da capital e de municípios vizinhos, para prestar o último adeus ao grande líder político da região. Apesar do tempo chuvoso, centenas de pessoas acompanharam o cortejo fúnebre até o cemitério da cidade.

O prefeito do município decretou luto oficial durante três dias e ponto facultativo no data do sepultamento. Sua família foi homenageada também pela Assembléia Legislativa de Pernambuco com um Voto de Profundo Pesar requerido pelo Deputado Aglailson Júnior.

Em janeiro de 2005, depois de exercer seu último mandato como vice-prefeito do município, afastou-se dos meios políticos, encerrou suas atividades comerciais e passou a viver junto a seus familiares, na mesma casa que sempre viveu, no aconchego da família, dos filhos e netos.

Álvaro Melo por sua honradez, integridade e honestidade, seja na qualidade de cidadão, seja como homem público, certamente, vai ser sempre lembrado e admirado pelos amarajienses da atualidade, por seus descendentes e pelas gerações futuras.

Com informações do Blog Amaraji do Baronato ao ano 2000.

Compartilhe:

Comentários

comments