MATERIAL ESCOLAR ESTÁ PESANDO MAIS NO BOLSO DOS PAIS

Passadas as festas de fim de ano, papais e mamães já estão correndo com a lista de material escolar. Afinal de contas, falta menos de um mês para o ano letivo começar. Quem foi às compras deve ter percebido que os produtos estão com preços mais altos que os praticados em 2014. A própria Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (ABFIAE) estima um reajuste médio de 8% na comparação com ano passado.
O presidente da ABFIAE, Rubens Passos, divulgou nota dizendo que a mudança nos preços se deve basicamente a três fatores. O primeiro é a elevação dos custos das matérias primas dos materiais escolares ao longo de 2014. O segundo fator são os reajustes salariais superiores aos índices de inflação em diversas categorias profissionais ligadas ao setor.
O terceiro fator é a elevação do valor do dólar. A moeda norte-americana influencia o preço de diversas matérias primas. A associação também aponta a tributação excessiva como vilã dos preços. Segundo um levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), os produtos podem ser taxados em até 47%, como no caso das canetas. Itens como apontador e a borracha escolar têm alíquota de 43%. Para o caderno universitário e o lápis, o imposto é de 35%.
Mas será que é só isso? Tem loja/rede que deve aumentar ainda mais. Por isso o Procon recomenda aos pais ou responsáveis que pesquisem bastante antes de comprar. Fazer compras conjuntas, com outros pais, também ajuda a conseguir preços mais em conta. O Procon-PE divulgou em dezembro uma relação dos itens que podem e dos que não podem ser cobrados pelos colégios. Confira abaixo a lista. Quem se sentir enrolado pode denunciar a escola através do telefone 3181-7000.
NÃO pode ser cobrado na lista
* Papel ofício
* Fita adesiva
* Pincéis/lápis para quadro branco
* Álcool líquido ou em gel
* Algodão
* Artigos de limpeza ou higiene (desde que não seja de uso individual do aluno)
* cartucho de tinta para impressora
* CD e DVD
* Copo descartável
* Taxa de reprografia
* Agenda escolar específica da escola
PODE ser cobrado na lista
* Lápis grafite
* Lápis de cor
* Lápis hidrocor
* Caneta
* Caderno
* Livro didático, entre outros materiais de uso didático
O Procon-PE também lembra que as instituições de ensino podem cobrar a famosa taxa de material escolar. Acredite: essa prática é legal. Mas há um porém. As escolas devem apresentar a lista de material que vai ser adquirida com a taxa e oferecer aos pais a opção de escolha: adquirir o material através da taxa ou diretamente no fornecedor de sua preferência.
Do Diario de Pernambuco.
Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.