FUNCIONÁRIOS DO CISAM CONTINUAM COM PARALISAÇÃO

Os usuários do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), mais conhecido como a Maternidade da Encruzilhada, continuam a sofrer com o comprometido atendimento do local. Depois de passar muito tempo fechada devido à várias reformas, a unidade começou a semana com déficit: desde a manhã da segunda-feira (26), dezenas de funcionários terceirizados cruzaram os braços para cobrar pagamento de salários atrasados. 
Auxiliares de serviços gerais, maqueiros, trabalhadores do estoque; cerca de 50 profissionais da empresa Forte Engenharia exigem o pagamento dos salários referentes aos meses de novembro e dezembro de 2014. Deste montante, 30 pararam os serviços e outros apenas realizaram os serviços essenciais, considerados de urgência. 
Diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Asseio e Conservação (Stealmoiac), que representa os funcionários, André Silva afirmou que uma nova assembleia está marcada para a manhã desta terça (27). “Por enquanto, continuamos com a paralisação. Amanhã tem a nova assembleia para decidir novos rumos do movimento”, explicou o sindicalista. Os funcionários só retomaram as atividades normais depois de um pronunciamento das empresas.
Segundo André, a gestão do Cisam e da Forte Engenharia se resumem a dizer que a questão é de falta de verba. Cada funcionário recebe um pouco mais de um salário mínimo; somando os 50 funcionários sem os últimos dois salários de 2014, as empresas precisam debitar uma quantia de cerca de R$ 8 mil.
Do LeiaJá.
Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.