CANIBAIS DE GARANHUNS IRÃO A JÚRI POPULAR NESTA QUINTA-FEIRA

Depois de ser desmarcado duas vezes, o julgamento de Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, Isabel Cristina Torreão Pires e Bruna Cristina Oliveira da Silva, trio conhecido como “canibais de Garanhuns”, acontecerá nesta quinta-feira (13), a partir das 9h, no Fórum de Olinda, na Região Metropolitana do Recife. Os réus são acusados de matar, esquartejar e ocultar o cadáver de Jéssica Camila da Silva Pereira. Os crimes ocorreram em maio de 2008, no bairro de Rio Doce, no mesmo município onde haverá o júri popular. A sessão será presidida pela juíza Maria Segunda Gomes de Lima.
Na época, a vítima tinha 17 anos e morava na casa do trio com a filha de dois anos. Após matarem a jovem, os réus guardaram sua carne para consumo humano, conforme a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Bruna Cristina assumiu a identidade da jovem assassinada e o trio passou a criar a filha da vítima, que teria presenciado outros dois assassinatos cometidos por Jorge, Isabel e Bruna em Garanhuns, no Agreste do Estado, em 2012, ambos com as mesmas características do primeiro. Foi a partir dessa investigação que veio à tona a morte de Jéssica. Também se descobriu que, além de consumir a carne das mulheres, o trio usava os restos mortais para rechear salgados que vendiam em Garanhuns.
Nesta quinta, porém, os “canibais” só serão julgados pelos crimes contra Jéssica, já que os delitos cometidos no Interior integram outro processo. As qualificadoras do homicídio são o motivo fútil, o emprego de meio cruel, o fato de não ter sido dada à vítima chance de defesa e a finalidade de assegurar a realização de outras práticas criminosas. Os réus respondem, também, por vilipêndio (prática ultrajante cometida contra o corpo de um ser humano) e ocultação de cadáver.
O julgamento
Duas testemunhas de acusação devem ser ouvidas no primeiro dia do julgamento: o delegado que presidiu o inquérito, Paulo Berenguer, e o médico psiquiatra responsável pela perícia médica dos réus, Lamartine Holanda. Em seguida, será a vez dos acusados. Bruna e Isabel foram orientadas pelos advogados a falar. A defensora pública que acompanhará Jorge, Tereza Joacy, não adiantou se ele vai testemunhar. Após essa fase começarão os debates, que podem durar até nove horas. Por essa razão, o júri deve se estender até a sexta-feira (14).
Segundo a promotora Eliane Gaia, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) reforçará os resultados dos nove laudos que atestam que o trio pode responder pelos seus atos e que estavam conscientes da ilegalidade do que praticavam, já que, durante as investigações, foi averiguada a sanidade mental dos acusados.
Com informações da FolhaPE.
Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.