VEREADORES COBRAM ABERTURA DE CPI PARA CASSAÇÃO DO MANDATO DO PREFEITO DE GRAVATÁ

São muitas as denúncias documentadas no Ministério Público Federal, no Ministério Público de Pernambuco, na Polícia Federal e na Procuradoria Geral do Ministério Público do Estado de Pernambuco em desfavor do prefeito de Gravatá, Bruno Martiniano. A CPI foi aberta pelos vereadores Junior de Obras (PPS), Sônia Souza (PP), Luiz Prequé (PSB), Junior de Paulo (PRP) e o vereador Léo do AR (PSDB). Mas só dois deles, Sônia e Júnior de Obras levaram o caso para a justiça.
A denúncia mais recente foi protocolada na Procuradoria Geral do Ministério Público do Estado de Pernambuco e revelada pelo vereador Luiz Prequé na última reunião ordinária da câmara realizada na terça-feira (21).
A denúncia informa que apesar de ter sido exonerado, Marcelo Gastón continuaria a frente da secretaria, segundo a denúncia, tendo como “laranja” o atual secretário Gabriel Tenório, que possivelmente executaria todas as determinações do ex-secretário.
Ainda de acordo com a denúncia apresentada pelos vereadores, outro secretário estaria envolvido nos escândalos protagonizados pelo prefeito Bruno Martiniano.  Mas as denúncias não param, outro possível “laranja” apontado pelos vereadores foi qualificado como sendo o sogro do prefeito de Gravatá, que teria comprado 44 lotes do terreno da Fazenda Baraúna no valor de R$ 660 mil reais. 
Confira todos os detalhes clique aqui.
Com informações do Gravatá Notícias.

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.