FBC DESBANCA O POPULAR JOÃO PAULO E É ELEITO SENADOR EM PERNAMBUCO

Com mais de 84% das urnas apuradas em Pernambuco, Fernando Bezerra Coelho (PSB) conseguiu desbancar João Paulo (PT) na acirrada disputa ao Senado deste ano, com direito a virada socialista nas pesquisas de intenção de voto e alto número de indecisos a poucos dias das eleições. Com a vitória de FBC, como o senador eleito é chamado, a Frente Popular de Pernambuco conseguiu eleger a chapa majoritária no Estado, com Paulo Câmara (PSB) como governador e deixou uma incógnita sobre o futuro do Partido dos Trabalhadores.
O senador que vai ocupar a cadeira que foi de Jarbas Vasconcelos (PMDB) nos últimos oito anos pertence à terceira geração de uma oligarquia que dominou Petrolina, a maior cidade do Sertão, por quase meio século. Foi eleito deputado estadual pelo PSD, antigo Arena, em 1982, mas, após a redemocratização, se aproximou de Miguel Arraes, avô de Eduardo Campos, e rompeu com a corrente política da família. Desde então, foi prefeito de Petrolina duas vezes, secretário na gestão de Eduardo em Pernambuco, ministro no governo Dilma Rousseff (PT) e até presidente do Santa Cruz Futebol Clube.
Antes de ser escolhido como candidato ao Senado, Fernando Bezerra Coelho teve seu nome cotado para a disputa ao Governo do Estado, assim como outros socialistas ligados ao ex-governador, como Tadeu Alencar e Danilo Cabral. Atendendo a um pedido do próprio Eduardo, superou seus interesses pessoais em prol do partido, como disse em fevereiro, no lançamento da pré-candidatura. Eduardo Campos teve o nome amplamente explorado por FBC desde o início da pré-campanha e foi o principal cabo eleitoral também após a sua morte, em 13 de agosto, vítima de acidente aéreo em São Paulo. Do início de agosto até poucos dias antes deste domingo, Fernando Bezerra melhorou seu desempenho em mais de vinte pontos em levantamentos realizados pelo Instituto de Pesquisas Maurício de Nassau, que havia apontado queda dele na comparação entre julho e agosto. O índice de indecisos a ser conquistados tanto pelo socialista quanto pelo seu adversário João Paulo sempre esteve perto dos 20%. Embora tenha passado FBC durante boa parte da campanha, só caindo após a morte de Eduardo, analistas dizem que o próprio petista articulou, sem querer, a sua derrota desde que, nas eleições municipais de 2012, rompeu política e pessoalmente com João da Costa (PT), indicado por ele para o suceder à frente da Prefeitura do Recife. Isso deixou o partido dividido e tirou a legenda do governo em Pernambuco.
A confusão começou, de acordo com informações de bastidores, porque João Paulo queria ter ingerência no governo do seu ex-secretário, o que ele nega. E continuou em 2011, quando era desenhado o cenário do pleito no ano seguinte. Mesmo mal avaliado na PCR, João da Costa não abria mão do seu direito de disputar a reeleição, o que não era o desejo do PT e dos aliados, como Eduardo Campos, por ele não ter sido considerado um candidato forte para enfrentar a oposição. Depois da briga, o partido ficou dividido entre os que apoiavam a candidatura do prefeito e o grupo do senador Humberto Costa, que acabou disputando a eleição tendo João Paulo como vice. Quem venceu foi o então desconhecido Geraldo Julio.
Segundo conversas de bastidores, caso João Paulo tivesse vencido para o Senado, fazendo companhia aos aliados Humberto Costa e Armando Monteiro, o PT voltaria a ganhar forças e ele sairia candidato a prefeito do Recife, posto que já ocupou duas vezes. Porém, não conseguiu e ficará pelo menos dois anos sem cargo público, já que conclui este ano o seu mandato como deputado federal. 
Com informações do Blog do Jamildo.
Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.