SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DE AMARAJI REALIZA 34ª CAMPANHA SALARIAL DOS CANAVIEIRO(A)S

Na manhã deste domingo (08/09) aconteceu no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Amaraji a Trigésima quarta campanha salarial dos canavieiro(a)s. Trabalho decente, acesso as politicas publicas, qualidade de vida. Assembleia de aprovação da pauta de reivindicação onde foi aprovada por unanimidade pelos trabalhadores presente a entidade, que fica localizada a Rua 15 de novembro no mesmo município. 

Esse evento teve assembleia em todos os sindicatos da zona da mata sul, onde dia 15 de setembro será realizada a assembleia em todos os sindicatos da zona da mata norte de pernambuco, para um piso salarial de oitocentos reais(R$ 800,00) onde estivemos com o Sr Valdir sena presidente do Sindicato e falou conosco sobre a real situação da reivindicação do novo salario do trabalhador rural.
Durante o evento teve sorteios de brindes para os associados.
Márcio Meira – Dentro do que foi tratado na reunião desse domingo falou-se sobre reivindicações salariais, hoje na sua maneira de ver as questões salariais qual seria atualmente o valor real do salário para o trabalhador rural?
Valdir Sena – Hoje o salario do trabalhador rural ele é de vinte e três reais (R$ 23,00) a diária, isso equivale a um salario de Seiscentos e noventa reais reais (R$ 690,00) por mês,e nós estamos pedindo um aumento de salario que possa chegar a oitocentos reais (R$ 800,00), tentar junto ao ministério do Trabalho, federação, CONTAG, CUT, junto aos Sindicatos ver se a gente consegue esse valor salarial.
Márcio Meira – Existindo essa garantia de oitocentos reais por mês, quais as reivindicações que sejam inclusas, que possa dar garantia de qualidade de vida,  não só ao trabalhador de Amaraji mas para o estado de Pernambuco?
Valdir Sena – Estamos reivindicando além do salário entre outras, fizemos a trigésima quarta campanha salarial e estamos lutando pelo trabalho decente, alimentação digna no local de trabalho, tabela de tarefas atualizada, moradia digna, acesso a terra, contrato de trabalho por tempo indeterminado, salário justo e piso de garantia, transporte seguro para todos os trabalhadores entre homens e mulheres, onde sabemos que no dia trinta de setembro acaba tudo o que nós temos conseguido, por isso todo ano temos que renovar a nossa tabela de serviço com discídio coletivo para que os trabalhadores continue tendo os seus serviços garantidos e os seus direitos e nós consigamos realmente que os trabalhadores tenham a vitória.
Márcio Meira – Horário de trabalho, a maneira como se comporta o trabalhador rural, os seus instrumentos de trabalho, o que você tem analisado e tratado entre todos sobre a questão do

acompanhamento da saúde do trabalhador, quanto a alimentação, o estado físico e a situação de temperatura?

Valdir Sena (foto) – Nós temos reinvidado, o sindicato junto a federação, CUT, CONTAG, o ministério do trabalho e o ministério publico federal, que os trabalhadores trabalhem na hora chamada hora fresca é uma hora que o trabalhador não fique muito exposto ao sol porque o sol traz muito prejuízo ao trabalhador envelhece e enfraquece por isso reivindicamos que o trabalhador possa trabalhar na tarefa, porque trabalhando em tarefa quando ele realizar a tarefa ele tem o direito de voltar pra casa e ter um descanso para que no dia seguinte ele tenha descansado e conseguido energia para a tarefa do dia seguinte.
Márcio Meira – Todos sabem da sua luta com todos que fazem o sindicato, mas foi falado algo que vale ser reconhecido. O mérito do seu trabalho e a fala da advogada que defende os atos jurídicos do sindicato, falou que o sindicato de Amaraji é o mais atuante da região e que tem esse mérito de ser o sindicato que realmente trabalha pelo trabalhador rural.
Valdir Sena – Só tenho a agradecer, trabalhamos em prol e defesa do trabalhador, enquanto Deus permitir estarei lutando e defendendo os trabalhadores junto com toda diretoria para que sempre tenhamos a vitória e isso não podemos deixar de fazer.
Márcio Meira – O que você tem de ideias, projetos que possa dar mais qualidade ao seu mandato?
Valdir Sena – Positivo, isso é importante, mas realmente eu só quero dizer vou continuar sempre na luta dos direitos do trabalhador rural, para que eles não percam os seus direitos trabalhistas, estou aqui juntos com eles para defende-los e pra dar o de na presidência do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Amaraji com a minha diretoria e com os trabalhadores.
Nossa reportagem também conversou com o militante das causas dos trabalhadores rurais, Denilson de Prata Grande (foto), representante da Juventude rural, o mesmo bateu um papo com nossa equipe onde

segundo ele, “hoje a zona da mata do estado vive um momento de grandes transformações com usinas sendo fechadas devido a má administração dos usineiros, inclusive por que o governo cedeu uma serie de benefícios as usinas tais como o aumento 20% do álcool, açúcar mais caro, dólar subindo, subvenção de R$12,00 (Doze Reais) por tonelada a fornecedores e as usinas continuam quebrando, um fato preocupante e o que ocorre sempre quando as terras são arrendadas pelas usinas, se derrubam tudo que ver pela frete, como o que ocorreu em  alguns engenhos de Amaraji, tais consequências são o chamado êxito rural onde pessoas são obrigado a migrar para as cidade e quem mais sofre com tudo isto somos nós jovens”.

Márcio Meira – Edílson representante da juventude rural realizando um trabalho para que a juventude rural saiba do seu valor mesmo morando na zona rual na formação para a inclusão social.

Denilson – Principalmente na zona da mata sul, onde a juventude precisa de atenção com estudos do seu trabalho no campo,da sua inclusão nas atividades culturais e também uma grande conquista que foi o estatuto da juventude com benefícios e melhorias na zona rural com distribuição e crescimento na renda familiar.
Márcio Meira – Pelo que você conhece dessa juventude o que ela mais falam e reinvidaram e das necessidades para alcançarem os seus objetivos?
Denilson – Precisam estarem inseridos na sua arte, futebol, cultura, para que os adultos possam passar mais para os jovens,uma dignidade mais justa estamos avançando no meio rural, politicas publicas rurais com projetos para os jovens.
Márcio Meira – Projetos que estão sendo elaborados,que já foram realizados e os melhoramentos em qualidade para a juventude rural?
Denilson – O Estatuto dos jovens,a construção da agricultura familiar a importância da experiencia dos mais velhos para a construção da vida dos mais jovens.

Fotos: Divulgação Sindicato

Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.