MORADORES DA VILA NOSSA SRª DE FÁTIMA, EM AMARAJI, RECLAMAM DE PREJUÍZOS DEIXADOS POR OBRA DO GOVERNO

Os moradores que residem no bairro Vila Nossa Senhora de Fátima, às margens da PE 63 na entrada da cidade de Amaraji procuraram a reportagem do Amaraji Notícia, para reclamar sobre os pagamentos referentes ao auxilio moradia que os mesmos vinham recebendo da empresa responsável pela construção do muro de arrimo, segundo a moradora Elisama Patrícia, 23 anos, dona de casa, a empresa desde 2010 assumiu o compromisso via justiça de enquanto o muro estivesse sendo feito, os moradores teriam que sair de suas casas e receberem um auxílio de R$ 150,00 mensais e esperar a conclusão das obras para assim posteriormente retornarem a suas casas com condições seguras ou seriam ressarcidos caso as mesmas fossem atingidas pela construção, o que ocorreu foi que a obra foi concluída e os mesmos tiveram seus valores cancelados sem explicação e ainda sem ter opção tiveram que voltar as suas casas e morar se arriscando nas barreiras, já outros moradores que estavam de aluguel com o valor repassado pela empresa estão aperreados, pois não tem de onde tirar dinheiro para continuar custeando os alugueis, já que estes últimos perderam as casas que cairão.
A nossa reportagem em algumas horas pode verificar as irregularidades, divido as obras muitas casas apresentam rachaduras, outras que tinham quintal agora não tem mais, pois a barreira está caindo com as chuvas e ameaçando derrubar as casa que restaram.
Os moradores estão indignados com o descaso das autoridades com a questão e pela situação que vivem, conforme constatamos na residência do morador Adriano Silva Araújo, 32 Anos, Trabalhador rural, a parede da sala da casa caiu e está se protegendo com um lençol, já o trabalhador rural Genival Santana também prejudicado, alertou que a pouco tempo uma casa de barro caiu por cima de uma moradora.
Todos os moradores reclamam que já procuraram o prefeito e o mesmo alega que o problema é com o governo do estado, já que a obra foi executada por ele e não tem nenhum vinculo com a prefeitura.
É constante segundo alguns moradores a chegada de pessoas ligadas ao governo do estado para tirar fotos e dizer que vão levar as reivindicações ao setor responsável e até agora nada, inclusive fotógrafos da prefeitura já foram ao local, “até agora não sabe fazer o que?” alega a moradora Maria Severina dos Santos, 37 anos, trabalhadora rural.
Enquanto não se resolve os moradores continuam sofrendo e se arriscando em condições de moradia precárias.
Em conversa com todos os moradores o interesse é geral de procurarem o ministério publico para alertar sobre a situação que vivem hoje depois que a obra foi feita.
Entenda o problema. 
Desde 2010 na Operação Reconstrução, que uma empresa contratada pelo governo do estado chegou a cidade para construir um muro de arrimo na entrada da cidade pois no local a barreira ameaçava as casas do bairro e quando o barro que caia dificultava os veículos na chegada da cidade, como no inicio da barreira tinham algumas casas os moradores foram orientados a deixarem suas casas e a empresa através de uma ação judicial se comprometeria de pagar um auxilio moradia para os mesmos, o problema que os moradores questionam é que a obra terminou o auxilio foi cortado e as casas deles não oferece condição de moradia pois ficaram com paredes rachadas e o serviço não foi suficiente para conter a queda da barreira que continua caindo mais ainda. 

 Os moradores esperam que o governo do estado como responsável pela obra, providencie novas moradias dignas para todos que foram prejudicados ou o ressarcimento pelos prejuízos causados. 

Reportagem/Fotos: Edmar Gomes 
Colaboração: Jaqueline Medeiros

Muro de arrimo construído para proteção e que trouxe transtorno para os moradores

Casa do morador Adriano Silva Araujo, 32 anos, a parede da sala caiu e está coberta com um lençol.


Neste terreno havia uma casa, agora só resta o terreno, segundo moradores caiu com os abalos da obra

Moradora Elisama mostrando os avanços da barreira, antes onde tinha barreira agora não tem mais

Rachaduras nas casas

Recibo emitido para pagar os valores aos moradores

Genival Santana da Silva, 42 anos, trabalhador rural, a sua casa caiu com a esposa dentro

Ao todo são 14 moradores, ou seja, famílias, prejudicadas com as ações da obra que já terminou para quem transita na PE 63, mas para os que moram as margens da mesma ainda continua e trazendo transtornos enormes.

Muro de arrimo

Rachaduras no muro de arrimo


Compartilhe:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.