PF DEFLAGRA OPERAÇÃO TORRENTES NO PALÁCIO DO CAMPO DAS PRINCESAS

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (09) uma operação para desarticular um esquema criminoso de desvio de recursos públicos, fraudes em licitações e corrupção de servidores públicos vinculados à Secretaria da Casa Militar do Estado de Pernambuco.
 
Foram detectados, também, fortes indícios de superfaturamento em alguns contratos recentemente firmados pela Secretaria da Casa Militar com recursos públicos federais na “Operação Prontidão”, que tem por objetivo a reestruturação dos municípios da mata sul pernambucana atingidos, uma vez mais, pelas chuvas torrenciais ocorridas em maio de 2017.

Desde as primeiras horas da manhã, agentes e viaturas da Polícia Federal estão no Palácio do Campo das Princesas, no centro do Recife, no prédio da Vice-Governadoria, no bairro de Santo Amaro e em imóveis localizados na Rua Frei Jaboatão, nos bairros da Torre e Graças, na Zona Norte do Recife e na Avenida José Augusto Moreira, no bairro de Casa Caiada, no município de Olinda.

Ao todo, 260 policiais federais de 10 estados da federação e 25 servidores da Controladoria-Geral da União (CGU), distribuídas entre 44 equipes estão dando cumprimento a 71 mandados judiciais, sendo 36 de busca e apreensão, 15 de prisão temporária e 20 de condução coercitiva em Pernambuco e uma condução coercitiva no Pará. Também foi determinado o sequestro e a indisponibilidade dos bens dos principais investigados. A operação foi batizada de Torrentes, em alusão às enchentes que devastaram diversos municípios da mata-sul.

Todos os presos serão serão interrogados e, dependendo do grau de participação e envolvimento, responderão pelos crimes de peculato, fraude em licitação, corrupção ativa e passiva e associação criminosa, cujas penas ultrapassam os 25 anos de reclusão. Após serem ouvidos, todos serão encaminhados para exame de corpo de delito e comparecerão à audiência de custódia. Caso seja ratificada suas prisões os civis serão encaminhados para o Cotel e Colônia Penal Feminina e os militares para uma instituição designada pelo Comando da Polícia Militar de Pernambuco.

Os prejuízos aos cofres públicos ainda estão sendo contabilizados porque a Casa Militar à despeito de várias solicitações feitas pela Controladoria-Geral da União, não havia encaminhado os comprovantes de despesas que são essenciais para efetuar o respectivo levantamento.

 
Do Diario de Pernambuco.

Comentários

comments