FERNANDO MONTEIRO FALA SOBRE A URGÊNCIA DE UM OLHAR PELO NORDESTE

O deputado federal Fernando Monteiro (PP) falou sobre o cenário político na primeira semana do novo governo, nesta segunda-feira (07), em entrevista à rádio CBN Recife. Na ocasião, o parlamentar reforçou a necessidade de criação de políticas públicas para o Nordeste.

“Minha crítica não é sobre a falta de um ministro nordestino na nova equipe do primeiro escalão, mas sobre a urgência de um olhar focado na Região, de acordo com suas necessidades”, declarou, apontando a falta de conhecimento da nova equipe sobre a realidade local, usando, como exemplo, a necessidade de incentivo aos sistemas de dessalinização já existentes e não a busca pela tecnologia de fora, de Israel, como anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ao ser questionado sobre as polêmicas em relação ao apoio dos governadores nordestinos ao presidente, Fernando Monteiro enfatizou que o período eleitoral foi encerrado com o resultado das urnas “Os palanques foram desmontados. A hora agora é de se trabalhar em conjunto pelo desenvolvimento da Região. O governador Paulo Câmara já deu mostras suficientes de que tem competência para levar Pernambuco pelo caminho certo para os avanços necessários, precisamos do diálogo e ele está em busca disso. Não sou situação nem oposição, vou continuar sendo intransigente sobre o atendimento a pleitos importantes para Pernambuco. Trabalharemos juntos por isso”, garantiu o deputado federal.

Sobre a reforma da Previdência, Fernando Monteiro defende mais discussões sobre o assunto e a necessidade de maior participação popular, além de um modelo de reforma de carreira. “Um policial que fica na rua e o outro no gabinete têm realidades completamente distintas, por exemplo. Precisamos discutir um modelo maior, mas que as pessoas tenham a capacidade de entender não só números, mas a realidade de trabalho de cada um. A reforma é importante, mas precisa de mais discussões”, enfatiza, e complementa: “não voto de jeito nenhum o novo modelo de aposentadoria hoje proposto para o trabalhador rural”.

No modelo vigente, a categoria se aposenta após 15 anos de atividade rural, bastando a mulher ter 55 anos e o homem, 60. Além disso, na agricultura familiar, é cobrada alíquota de 2,3% sobre a produção, o que garante a extensão da aposentadoria a toda a família. Qualquer alteração nestes pontos, segundo o deputado, poderá inviabilizar o acesso ao benefício para os trabalhadores deste segmento. 

Fernando Monteiro declarou ainda apoio à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara dos Deputados destacando a experiência do parlamentar e sua competência para gerir a Casa. Estamos construindo as alianças, outros nomes apareceram, isso é democracia. Defendo o nome de Rodrigo Maia porque ele dá equilíbrio e precisamos disso para fortalecer a Câmara. Precisamos de um poder Legislativo forte para ajudar com as ideias e discussões necessárias”, concluiu.

Comentários

comments